COP-16

Cop16

 

COP-16

Declaração Oficial da Delegação Brasileira

Data: 14/12/2010

Por: MMA

 

"O Brasil tem a honra de ter participado deste esforço bem sucedido em Cancun no impulso global na luta contra as mudanças climáticas. O trabalho árduo de todos os participantes da COP-16 demonstrou que uma abordagem multilateral pode dar certo quando há transparência, inclusão e compromisso.

COP-16

Cancún deixou muitas perguntas sem resposta

Data: 14/12/2010

Por: Redação TN / Fabiano Ávila, CarbonoBrasil

 

Quem resumiu bem a sensação que tiveram os observadores da Conferência do Clima (COP-16) foi o Conselho Global de Energia Eólica: “Só estão considerando Cancún um sucesso porque as expectativas eram muito baixas. Nenhum dos problemas fundamentais foram resolvidos, tudo ficou para o ano que vem.” A COP-16 não queria repetir o erro da edição anterior, em Copenhague, por isso desde o seu início estabeleceu que não iria debater um acordo global com força de lei para limitar as emissões de gases do efeito estufa, ao invés disso iria se focar em problemas pontuais e tentar solucioná-los.

COP-16

O papel das empresas nas negociações climáticas

Data: 14/12/2010

Por: Redação TN / Fabiano Ávila, CarbonoBrasil

 

A Conferência do Clima (COP-16) de Cancún, marcada novamente pela disputa entre países ricos e pobres, terminou no último sábado (11/12) em um acordo modesto que pode ser considerado no máximo um passo a mais em direção a um tratado global com poder de lei para limitar as emissões de gases do efeito estufa. Para muitos, a melhor forma de resolver o impasse entre as nações será dar um papel mais atuante para a iniciativa privada. Entre as pessoas que pensam assim está o ex-presidente da Convenção Quadro das Nações Unidas sobre Mudanças do Clima (UNFCCC), Yvo de Boer.

COP-16

Conferência do Clima termina com acordo modesto

Data: 13/12/2010

Por: Redação TN / Fabiano Ávila, CarbonoBrasil

 

Foi necessário prolongar as negociações até a madrugada deste sábado, mas depois de duas semanas de conversas os mais de 190 países reunidos em Cancún finalmente conseguiram fechar um pacote de medidas para combater as mudanças climáticas. Desde o começo, a Conferência do Clima (COP16) deixou de lado a idéia de um acordo global com força de lei para limitar as emissões e se focou em conseguir avanços concretos em temas como financiamento, preservação florestal e transferência de tecnologias limpas. Tendo isto em vista, a CO-P16 foi considerada um sucesso pela  presidente da Conferência, a secretária de Relações Exteriores do México, Patricia Espinosa.

COP-16

Decreto assinado pelo presidente Lula estabelece redução de emissões até 2020

Data: 13/12/2010

Por: Redação TN / MMA

 

O Brasil deve chegar a 2020 emitindo no máximo 2,1 bilhões de toneladas de CO2 (dióxido de carbono) por ano e terá que publicar anualmente as estimativas do total de emissões do País. Isto é o que prevê o decreto de regulamentação da Política Nacional sobre Mudanças Climáticas assinado na última quinta-feira (9/12) pelo presidente Luiz Inácio Lula da Silva. Discursando na reunião ministerial do segmento de alto nível da Conferência das Nações Unidas sobre Mudança do Clima (COP-16) em Cancún, a ministra Izabella Teixeira comentou a assinatura do documento. De acordo com a ministra, o decreto vai promover, junto com os fundos Amazônia e de Mudanças Climáticas, um novo fundamento para a implementação dos princípios da Convenção das Nações Unidas sobre Mudança do Clima (UNFCCC) no Brasil.

COP-16

Negociadores correm contra o tempo em Cancún

Data: 10/12/2010

Por: Redação TN / Fabiano Ávila, CarbonoBrasil

 

A COP-16 não terminará em um acordo com força de lei para limitar as emissões, mas avanços poderão ser alcançados em questões como financiamento e proteção florestal se os países chegarem a um consenso. Desde o começo, a Conferência do Clima em Cancún deixou de lado a improvável possibilidade de firmar um acordo global para, ao invés disso, buscar soluções para algumas questões chave, como o financiamento climático, o uso de mecanismos de mercado como o REDD e a transferência de tecnologias. Porém, mesmo nesses temas ainda existem muitas dúvidas e é difícil afirmar se os países resolverão suas diferenças até hoje (10/12), último dia do evento.

COP-16

De Boer pede para bloco latino-americano não se opor a consenso

Data: 10/12/2010

Por: Redação TN / Fabiano Ávila, CarbonoBrasil / BusinessGreen
 


O ex-presidente do UNFCCC, o holandês Yvo de Boer, afirmou que acredita que as negociações da Conferência do Clima (COP-16) em Cancún terminarão com resultados muito melhores que os conquistados na COP-15 em Copenhague. Em entrevista para o site BusinessGreen, de Boer disse que questões como o REDD, financiamento climático, verificação e monitoramento de emissões e transferência de tecnologias estão bem adiantadas e que na sexta-feira será possível um consenso sobre esses temas.

COP-16

Brasil acredita em acordo pós-Quioto

Data: 10/12/2010

Por: Redação TN / Correio Braziliense

 

Apesar do discurso cético que impera em Cancún, onde acontece a Conferência de Mudanças Climáticas das Nações Unidas (COP-16), o Brasil anunciou, ontem, que houve avanços rumo à construção de uma segunda fase do Protocolo de Kyoto.  O documento expira em 2012 e é a única base legal mundial para redução das emissões de gases de efeito-estufa.  No ano passado, em Copenhague, havia expectativa do anúncio de um novo documento vinculante, mas a falta de entendimento entre países ricos e em desenvolvimento frustraram a evolução do debate.

COP-16

Protestos nas ruas contra o mercado climático

Data: 10/12/2010

Por: Redação TN / Diana Cariboni, IPS

 

Os atalhos oferecidos pelo sistema da Organização das Nações Unidas às empresas, para que lucrem com as estratégias contra o aquecimento global, foram alvo de duras críticas no Dia de Ação Mundial pela Justiça Climática. Duas manifestações distintas, com alguns milhares de pessoas, marcaram o dia 7/12, no trecho final da cúpula sobre mudança climática que acontece até amanhã neste balneário mexicano. Palavras de ordem referentes ao México, “país petroleiro, o povo sem dinheiro”, focou a causa principal do aquecimento do planeta: a queima de combustíveis fósseis, assunto quase marginalizado das discussões da 16ª Conferência das Partes (COP-16) da Convenção Marco das Nações Unidas sobre Mudança Climática.

Motosserra de Ouro

Greenpeace entrega prêmio à senadora ruralista Kátia Abreu durante a COP-16

Data: 09/12/2010

Por: Redação TN / Greenpeace

 

Uma das orquestradoras do enfraquecimento do Código Florestal, a senadora ruralista Kátia Abreu (DEM-TO) acaba de ser surpreendida em Cancún por ativistas do Greenpeace e de movimentos indigenistas, que entregaram à fiel defensora das propostas de mudanças da lei ambiental o troféu Motosserra de Ouro. Visivelmente constrangida, Kátia declinou do prêmio. Sem nenhum pingo de senso de humor, a senadora entrou muda e saiu calada do café da manhã no hotel onde está hospedada em Cancún para participar da COP-16. Até seus assessores soltaram risadinhas e reagiram à ação.  Já ela tentou desprezar o que não poderia ser desprezado.



Caderno de Sustentabilidade



Caderno de Sustentabilidade

Download

Twitter-logo Siga no Twitter!

Facebook_icon Siga no Facebook!

Busca:









Parceiros