Entrevistas

 

Wolfgang Heckl

Museu de ciência como espaço de diálogo

Data: 03/12/2014

Por: Redação TN /  Samuel Antenor, Agência FAPESP

Fundado em 1903 em Munique, capital do estado alemão da Baviera, o Deutsches Museum é um dos museus de ciência e tecnologia mais antigos do mundo. Com um acervo de 100 mil objetos e mais de 1 milhão de livros, abrigados em um edifício de 73 mil metros quadrados, é o maior do continente europeu e reúne uma vasta coleção de itens relacionados a descobertas e invenções, feitas tanto na Alemanha como em outros países. Palco da FAPESP Week Munich, em outubro de 2014, o Deutsches Museum exibe atualmente a exposição Brazilian Nature – Mistery and Destiny, que pode ser vista até janeiro de 2015 em sua biblioteca.

Paulo Roberto Rodrigues

Cidades: ocupação sem planejamento é determinada por empreendimentos imobiliários

Data: 10/10/2014

Por: Redação TN / IHU On-Line

“Planos Diretores passaram a ser feitos por empresas, em série, sem a realização de estudos necessários para realmente gerar um Plano Diretor adequado à realidade de determinados municípios”, adverte o geógrafo Paulo Roberto Rodrigues Soares. Os novos arranjos urbanos nas metrópoles brasileiras, bastante diferentes dos ocorridos há 30 anos, estão relacionados tanto à habitação como às atividades econômicas, com o surgimento de novos empreendimentos do mercado imobiliário. De acordo com Paulo Roberto Rodrigues Soares, com a reestruturação das cidades “o mercado imobiliário criou um novo produto, que chama de bairros planejados; são grandes empreendimentos em áreas periféricas que não tinham essa ação do mercado imobiliário. Nesse sentido, há uma mudança significativa na estrutura das cidades pela localização desses grandes empreendimentos”.

Guilherme Estrella

Gás natural associado ao óleo do pré-sal vai dotar o Brasil de independência em petroquímica e autossuficiência em fertilizantes

Data: 08/10/2014

Por: Redação TN / Juliana Ewers, Inovação Unicamp

“Soberania verdadeira só se materializa com investimentos permanentes em educação e pesquisa, que se realizam em instituições nacionais, públicas ou privadas. Empresas cujos centros de decisão localizam-se no exterior não farão isso”, afirma o “pai do pré-sal”. A descoberta de grandes reservas de petróleo na camada do pré-sal, no Brasil, e de shale gas (também conhecido como gás de xisto), nos Estados Unidos, provocaram uma mudança nas perspectivas futuras para esses recursos não renováveis e, consequentemente, uma revolução geopolítica dentro desse cenário. Complementares ou concorrentes? Descubra o que pensa o geólogo Guilherme Estrella, também conhecido como o “pai do pré-sal”, sobre essa nova realidade.

Mauro Pires

PEC do Cerrado: uma tentativa de corrigir omissão com biomas brasileiros

Data: 29/09/2014

Por: Redação TN / IHU On-Line

“Não é razoável que uma matéria dessa importância fique mais de 20 anos sem tramitação no Congresso Nacional”, adverte o sociólogo Mauro Pires, ex-diretor do Departamento de Prevenção e Controle do Desmatamento do Cerrado do Ministério do Meio Ambiente. A PEC do Cerrado, que tramita no Congresso há quase 20 anos, “procura sanar uma grave omissão do texto Constitucional de 1988” em relação à preservação dos biomas brasileiros, diz ele. 

Laura Canevari

Setor privado é essencial para adaptação às mudanças climáticas

Data: 28/05/2014

Por: Redação TN / Karina Toledo, Agência FAPESP

As mudanças climáticas são uma realidade cada vez mais difícil de ser ignorada e à humanidade resta adaptar-se para reduzir seu grau de vulnerabilidade. Diante dessa necessidade premente, cientistas têm se esforçado para engajar os formuladores de políticas públicas nas discussões sobre o tema. No entanto, pouca atenção é dada a um importante ator da sociedade: o setor privado.

André Ferretti

Mudanças Climáticas: o futuro é agora

Data: 19/05/2014

Por: Redação TN / IHU On-Line

“Precisamos urgentemente instituir o Plano Nacional de Adaptação às Mudanças Climáticas. É necessário discutir as adaptações em todos os setores, porque as mudanças climáticas impactam em toda a sociedade, e todos os seus setores podem contribuir com ações de mitigação”, afirma o Coordenador de Estratégias de Conservação da Fundação Grupo Boticário de Proteção à Natureza, André Ferretti.

Wolfgang J. Junk

O equilíbrio ambiental que vem das áreas úmidas

Data: 05/08/2013

Por: Redação TN / IHU On-Line 

A história da civilização humana está diretamente ligada às áreas úmidas, tendo diferentes impactos conforme as regiões do planeta. “Nas áreas temperadas e frias, as Áreas Úmidas - AUs eram de interesse para caçadores e pescadores, porque elas eram ricas em animais. Além disso, elas serviram como refúgios para minorias populacionais humanas e, em épocas mais recentes, para fugitivos políticos e para criminosos”, afirma Wolfgang J. Junk, em entevista.

Washington Novaes

Falta ao Brasil a consciência da gravidade e de como são imediatos nossos problemas ambientais

Data: 11/06/2013

Por: Redação TN / Sônia Araripe, Plurale 

Com a experiência de quem acompanha de perto o debate sobre meio ambiente, o jornalista Washington Novaes tem credenciais para fazer um alerta. “Falta ao Brasil a consciência da gravidade e de como são imediatos nossos problemas ambientais, como a questão da falta de saneamento e da poluição nas cidades”, afirma, em entrevista para Plurale em revista.

Olav Kjorven

Brasil pode liderar Objetivos do Desenvolvimento Sustentável

Data: 10/06/2013

Por: Redação TN / Henrique Andrade Camargo, Mercado Ético 

A pouco mais de dois anos para o fim dos Objetivos de Desenvolvimento do Milênio (ODM), as Nações Unidas já trabalham firme para que, a partir de 2015, sejam estabelecidas novas metas para o mundo. Dessa vez, o esforço será na criação dos Objetivos do Desenvolvimento Sustentável (ODS), um movimento que teve início durante a Rio+20 e que, agora, vai ganhando uma cara. Em maio, a Organização das Nações Unidas (ONU) lançou um rascunho do que seriam essas metas. Ainda em tom bastante genérico, os pontos listados não  demonstram objetividade tampouco estipulam prazos para seu cumprimento.

José Manuel Cabral

Uso de materiais orgânicos na produção de combustíveis tende a aumentar

Data: 04/06/2013

Por: Redação TN / Mariana Branco, Agência Brasil

Embora a maioria não note a diferença no cotidiano, a geração de energia e a fabricação de produtos a partir da biomassa – matéria orgânica, animal ou vegetal – já se tornaram realidade. A eletricidade gerada do bagaço de cana-de-açúcar abastece as próprias usinas sucroalcooleiras e alguns lares brasileiros. O mesmo bagaço pode ser usado na produção de papel. Do etanol, biocombustível feito da cana, extraem-se compostos como polietileno para fabricação de embalagens plásticas. A partir de resíduos de soja e sebo bovino é possível produzir outro combustível renovável, o biodiesel.



Caderno de Sustentabilidade



Caderno de Sustentabilidade

Download

Twitter-logo Siga no Twitter!

Facebook_icon Siga no Facebook!

Busca:









Parceiros