Notícias

Campanha mostra a dificuldade que os brasileiros enfrentam para compreender os rótulos dos alimentos

Data: 16/11/2018 15:30

Por Redação/ Assessoria

A Aliança pela Alimentação Adequada e Saudável, coalizão composta por mais de 30 organizações da sociedade civil, como o Instituto Brasileiro de Defesa do Consumidor (Idec), a ACT Promoção da Saúde, o Conselho Federal de Nutricionistas (CFN) e a Associação Brasileira de Saúde Coletiva (Abrasco) lança no dia 9 de novembro, durante a programação do horário nobre das emissoras de televisão,  uma campanha com histórias reais de brasileiros que enfrentam dificuldade para entender os rótulos dos alimentos.  


A campanha apresenta depoimentos de médicos, pacientes diagnosticados com doenças relacionadas à alimentação não saudável e pessoas que se preocupam com o que consomem. O objetivo é alertar para o fato de que com rótulos mais compreensíveis e informação adequada, as pessoas podem fazer escolhas alimentares mais conscientes e, consequentemente, mais saudáveis.


Dentre as histórias contadas, está a de Fabiano Luder, 42 anos, portador de diabetes tipo 2, que sofreu quatro amputações em decorrência do desenvolvimento da doença. Fabiano afirma que sua alimentação contribuiu para a sua condição. "Com informações mais claras sobre os rótulos dos alimentos, talvez minha vida fosse diferente", conta.


Outro ponto importante da Campanha, é o slogan “Anvisa, nós temos o direito de saber o que comemos”, que tem como finalidade pressionar a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) e demais formuladores de políticas públicas sobre a urgência da aprovação do novo modelo.

 

Rotulagem nutricional no Brasil

 

A proposta de rotulagem defendida pela Aliança foi desenvolvida em parceria com pesquisadores em design da informação da Universidade Federal do Paraná (UFPR)  e com base em sólidas evidências científicas. A proposta inclui a inserção de um triângulo preto na parte da frente das embalagens de produtos processados e ultraprocessados com os dizeres ‘’alto em’’ ou ‘’contém’’, indicando de forma clara o excesso de nutrientes que podem ser prejudiciais à saúde, como açúcar, sódio e gorduras totais e saturadas, além de gorduras trans e adoçantes, conforme imagem abaixo.

Esse modelo de rotulagem nutricional, em formato de advertência, também é defendido e recomendado por organizações internacionais de saúde pública, como a Organização Pan-Americana da Saúde (OPAS) e a Unicef (Fundo das Nações Unidas para a Infância).  

 

“A informação mais importante, que são os ingredientes, atualmente é escrita em letras pequenas e termos técnicos. Ninguém pode saber o que contém um alimento industrializado, a menos que essa informação esteja claramente colocada no seu rótulo’’, explica o professor da faculdade de Saúde Pública da Universidade de São Paulo (USP), Carlos Augusto Monteiro, um dos especialistas convidados pela campanha.

 

Líder do Programa de Alimentação Saudável do Idec, Ana Paula Bortoletto, reforça que esta campanha, além de conscientizar novamente a população sobre a importância da rotulagem de advertência, faz um apelo à Anvisa. ‘’Precisamos, com urgência, finalizar o  processo regulatório com uma consulta pública sobre o tema para que a população possa opinar. Acreditamos, com base nos estudos científicos que realizamos, que o  modelo de advertências contribuirá para conter o avanço acelerado de doenças como a obesidade, garantindo o direito à informação de forma clara à população’’, enfatiza.

Sobre a Aliança pela Alimentação Adequada e Saudável

 

A Aliança pela Alimentação Adequada e Saudável é uma coalizão composta por mais de 30 organizações da sociedade civil como o Idec (Instituto Brasileiro de Defesa do Consumidor), a ACT Promoção da Saúde, a Abrasco, o CFN (Conselho Federal de Nutricionistas), além de profissionais, associações, movimentos sociais e pessoas físicas, incluindo pesquisadores das maiores universidades do País, com o objetivo de desenvolver e fortalecer ações coletivas que contribuam com a realização do Direito Humano à Alimentação Adequada por meio do avanço em políticas públicas para a garantia da segurança alimentar e nutricional e da soberania alimentar no Brasil.





Printer Versão para impressão
Rss_old RSS
Newspaper_link Assine a newsletter
User Envie para um amigo



Notícias relacionadas



Caderno de Sustentabilidade



Caderno de Sustentabilidade

Download

Twitter-logo Siga no Twitter!

Facebook_icon Siga no Facebook!

Busca:









Parceiros